Mixtape #25 – Brota flor

Flor faz brotar mais flor ♡ uma mixtape a essas mulheres, miúdas e infinitas, férteis sementes, sagradas, vindas da terra e feitas de vida.

01- Coletivo ANA – Ana | 02-  Ana Cláudia Lomelino – mãeana | 03- Alceu Valença – Anunciação | 04- Coletivo ANA – Parto | 05- Caetano Veloso – Boas Vindas | 06- Ana Cláudia Lomelino – colo do mundo | 07- Nando Reis – Espatódea | 08- The Temptations – My Girl  | 09- Ellie Goulding – Your Song | 10- Maria Rita – Cria | 11- Adriana Calcanhotto – Ciranda da Bailarina | 12 – Adriana Calcanhotto – Saiba  | 13 – Os Tribalistas – Anjo da Guarda | 14 – Gal Costa – Estratosférica | 15 – Toquinho – Aquarela

Aos meus pais: eu voo

aosmeuspaiseuvoo

Mãe e pai,

Há algum tempo venho ensaiando algumas palavras para dizer a vocês, até que me deparei com essa música. Ela expressa tudo o que eu quero dizer, mas infelizmente é em francês. Precisei, então, redigir minhas próprias palavras para lhes dizer o que eu mesma quero dizer. De qualquer forma, peço que apertem o play antes de prosseguirem a leitura.

Meus queridos pais,

O momento chegou. Aquele. O mais temido. O mais aguardado. O mais imaginado. Pela primeira vez, coloco os meus pés para fora de casa com a esperança de só voltar como visita. Eu cresci do tamanho dos meus sonhos e as montanhas de BH já não me são mais suficientes. Já faz tempo, é verdade, que o conforto da cidade natal não me traz mais alento nenhum. Cumpridas as obrigações estudantis, é hora de buscar mais. De sonhar mais, enquanto realizo muito. É tempo de aprender a andar sem o auxílio de suas mãos. Agora, começo a caminhar sozinha.

A coragem e a esperança necessárias para encarar esse momento herdei de vocês. Sem perceber, vocês me ensinaram que a gente é o que a gente quiser ser. Papai se formou em engenharia e logo viu que seu caminho era outro. Virou empresário, seríssimo, original de Ponte Nova. Mamãe foi administradora, professora de Yoga e, agora, confeiteira-empresária. Nunca ficou parada onde não mais queria estar. Do interior, vieram para a capital de Minas Gerais; da casa dos pais, dividida com vários irmãos, foram para os braços um do outro; de um apartamento modesto, se mudaram para uma casa enorme. Tudo realizado com muito suor no rosto, afinal não basta sonhar – nunca basta -, é preciso perseguir o sonho. E lá vou eu perseguir o meu.

Não pensem que vou porque vocês não me são suficientes. Ninguém é, mas vocês são mais que todo mundo. Só avanço porque sei que, caso leve um tombo, tenho o colo de vocês para me amparar. Só vou atrás do que quero, porque, ao longo desses 23 anos, vocês me mostraram que eu consigo tudo o que me for importante. Você, mãe, dizendo “engole o choro, filha, tenta de novo, de um jeito diferente” e, quando necessário, pegando a mochila para me acompanhar, onde quer que fosse. Você, pai, sem nunca negar fôlego, me auxiliando dentro das possibilidades, ao mesmo tempo em que me mostrava o valor da minha própria contribuição na realização dos meus objetivos. Aprendi direitinho.

O momento chegou. Tenho o espírito apegado nos laços afetivos, mas um coração que necessita viver o mundo todo. Minhas raízes são enormes, mas minhas asas maiores ainda. Preciso voar. Não é descaso, é destino. Uma jornada inédita e espetacular me aguarda, em que eu preciso contar principalmente comigo mesma para que tudo dê certo. Estou virando gente grande e minhas asas estão cada vez maiores. Chegou o momento. O caminho agora é para a frente. Vou voar. Graças a vocês, vou voar.

Com carinho,

Clarinha

Ps. A letra da música se traduz mais ou menos assim (reiniciem e apreciem):

Eu Voo

Meus queridos pais, eu vou embora
Eu os amo, mas eu vou embora
Vocês não teem mais filhos
Esta noite

Eu não fujo, eu voo
Entenda, eu voo
Sem fumar, sem álcool
Eu voo, eu voo

Ela me observou ontem
Preocupada, minha mãe
Como se ela senti-se, na verdade, ela suspeitou
Ouça

Eu disse que estava bem, com ar sereno
Ela fez como nada, e meu pai impotente
A sorrir.
Não se vire, se afastar um pouco mais
Há estação, outra estação e enfim, o atlântico

Meus queridos pais, eu vou embora
Eu os amo, mas eu vou embora
Vocês não teem mais filhos
Esta noite

Eu não fujo, eu voo
Entenda, eu voo
Sem fumar, sem álcool
Eu voo, eu voo

Eu me pergunto se no meu caminho
Se meus pais suspeitam
Minhas lágrimas escorriam
Minhas promessas e desejo
Avançar

Só acredito na minha vida
Tudo o que me é prometido
Por que, onde e como
Neste trem que se desvia
Cada momento

É estranho, esta gaiola
Bloqueio de meu peito
Eu não posso mais respirar
Isso me impede de cantar

Meus queridos pais, eu vou embora
Eu te amo, mas eu estou deixando
Você não vai ter filhos
Hoje à noite

Eu não fujo, eu voo
Entenda, eu voo
Sem fumar, sem álcool
Eu voo, eu voo

La la la la la la
La la la la
O
Eu voo