Sobrevivi a 2014, agora ninguém me segura

2014

2014 foi definitivamente um fim de ciclo na minha vida. Um ano louco, lotado, intenso, mas um cadinho solitário. Teve Carnaval inesquecível, finalização de TCC, lançamento de livro coletivo, apresentação de TCC, formatura, re-Buenos Aires, anivertura e seleção para o Curso Abril de Jornalismo (CAJ). Fez falta o recorrente bar de sexta-feira e o antigo ombro amigo de terça. Eu devia ter tido mais paciência para ficar só comigo mesma – os sentimentos teriam sido mais fáceis – mas o silêncio ensurdecedor do futuro estava mais forte do que nunca. Preferi ir ao cinema, ou reclamar no meu diário.

Em novembro, eu pensei que não teria forças para chegar até dezembro. O resultado mais esperado de toda a minha vida ia sair em breve e poderia não ser a guinada transformadora do meu destino. Quando ele saiu, positivo, consegui enxergar a grandeza do meu 2014. Foi um ano cansativo, mas necessário.

Da minha lista de (pelo menos) 67 promessas, cumpri algumas. Li os 12 livros, aprendi mais que 5 receitas, vi extremamente mais que 24 filmes, experimentei 5 dos 10 sabores de sorvetes, conheci 2 cidades novas ao invés de 3, não enviei nenhuma das 6 cartas, fiz apenas um novo amigo… Gostaria de ter observado mais o céu, mas colei estrelas no teto do meu quarto para me lembrar constantemente que o universo está repleto de magia e que eu nunca devo desistir de experenciá-las.

Magia como os infinitos dias de Carnaval vividos com muito glitter no côncavo do olho, muitos copos de catuaba, risadas incansáveis e eternos abraços de gratidão. Magia como a generosidade das palavras recebidas na apresentação de TCC, como a intensa alegria no lançamento do livro do BH nas Ruas, como as lágrimas contentes disfarçadas pela beca na colação. Magia de momentos que, como esses, me fizeram me sentir completa.

Vivi um romance (sem nenhuma gota de amor) de verão e uma paixonite (sem nenhum laço de saudade) de inverno, um caso que tinha tudo para dar em tudo finalmente não deu em nada, relacionamentos compridos que nunca tiveram futuro enfim chegaram ao fim. Ufa. Descobri a enorme força do companheirismo dos meus 4 melhores amigos da faculdade, senti muita falta dos amigos que foram de intercâmbio, e também dos que não foram. Mais. Vivi uma festa eterna durante a Copa, descobri novos lugares na minha amada Buenos Aires, comecei meu primeiro emprego como jornalista graduada, me apaixonei por Itatiaia, comi o melhor dogão, na Praça Espanha de Curitiba, mais uma vez.

Saio de 2014 com o que foi planejado para mim finalizado. Cresci, estudei, cresci, me formei, cresci, trabalhei, cresci. Em 2015, uma nova vida se inicia, uma vida planejada por mim, com muitas expectativas e pouca (ou nenhuma) previsão. Estou indo para São Paulo participar do CAJ e espero não voltar. Pelo menos, não tão cedo. Vou conhecer novos caminhos, trombar em novas pessoas, aprender uma linguagem completamente nova. Estou empolgadíssima. 2014, obrigada por me preparar.

Mulher com câncer terminal realiza sonho e se casa antes de morrer

mulhercomcancer

Nos últimos tempos, várias mulheres com câncer tem realizado o grande sonho de se casar antes de morrer. Desesperadas por estarem em estágio terminal da doença, se vestem de noiva, convidam os queridos mais próximos e, dentro mesmo do hospital, vão ao encontro do amor de suas vidas para selar a união. Já aconteceu em Manaus, em várias cidades dos EUA, e, agora, na China.

Não querendo meter o meu dedo nos sonhos de ninguém, mas já metendo: sério mesmo, mulherada? Entre todas as maravilhas que o mundo tem a lhes oferecer, vocês querem gastar os poucos minutos de vida que lhes resta casando com homens que já são seus companheiros? Dentre tantas opções, o que mais lhes apetece é vestir vestido branco, véu e grinalda e registrar perante a lei a união com aquele com quem já estão unidas há muito tempo? Poxa…

Cada vez que leio uma chamada dessas, ao invés de me emocionar, sinto um cadinho de desesperança. Casamento é legal, é uma festividade interessante, um ritual muito bonito, mas é mesmo – ainda – o grande sonho da maioria das mulheres? O MELHOR dia de suas vidas? (Afinal, existe “o melhor” dia de nossas vidas? Não são vários os dias extremamente especiais?)

O que me assusta não é o tal do grande amor ser tão valorizado, e sim esse desespero que muitas, muitas mulheres tem em poder dizer “eu me casei”. Se fosse o meu caso, o que me faria feliz de verdade seria experimentar comidas que não conhecia, ou viajar para um lugar com paisagens de tirar o fôlego.

Cada um sonha com o que quer, eu sei, mas que mundo mais interessante seria este em que vivemos se as manchetes de casamentos urgentes fossem substituídas por outras mais estimulantes: “americana toca guitarra em festival para 200 mil pessoas e realiza último sonho antes de morrer” ; “baiana em estado terminal lança livro com fotos que tirou ao longo da vida em viagens pelo mundo” ; “paranaense com câncer faz sua última apresentação de ballet: ‘foi uma despedida linda’, comemora”. Que vida mais interessante essas mulheres poderiam ter tido se sonhassem com algo maior do que com arrumar um marido.

Eu não gosto mais tanto assim de Natal

natalO Natal já foi meu feriado favorito. Durante anos, minha família materna se reunia na casa da Vó Majô, as crianças preparavam uma apresentação de teatro, os adultos a ceia, e tinha uma mesa especial só para os doces de tanto doce que tinha. Os ensaios da peça e decidir quais sobremesas seriam feitas eram tão gostosos quanto o espetáculo e as guloseimas em si.

Na noite do dia 24, a casa da Vovó – que por muito tempo também foi a minha casa – se enchia de gente. Tios de todas as famílias, primos de todos os primos, muita criança e muito, muito adulto. Todo mundo virava uma família só. Enquanto não chegava a hora da peça, nos distraíamos tentando quebrar nozes das mais variadas formas. Jogando de cima da escada, prendendo na porta, dando pontapés. O teatro era quase sempre sobre crianças de rua sendo salvas pelo Papai Noel e seus ajudantes. Tudo inspirado em “Chiquititas”, que nos ensinava que o mundo não é mágico para todos, mas é sempre possível sonhar com – e lutar por – mudanças. Eu e o Rafa os meninos de rua, as primas mais velhas os salvadores. A Buty sempre o Papai Noel. Os adultos achavam a nossa atuação graciosa, se emocionavam com o enredo e nos aplaudiam muito. A gente se achava os melhores atores do planeta.

Logo dava meia noite. Minha mãe me gritava, pois tinha surpresa na lareira: presente vindo diretamente do Pólo Norte. “Você viu o Papai Noel, mãe?”, “não filhinha, vi o presente caindo da chaminé, cheio de pó de pirlimpimpim”. Mesmo quando meus pais liberaram o bom velhinho e assumiram a responsabilidade dos presentes, meia noite continuou sendo um horário bem legal. Presente dos pais, presente da madrinhas, abraço, sorrisos, surpresas.

Hora da Ceia! Peru nunca foi uma tradição nossa. Optávamos por paella ou outro prato com frutos do mar. Repetíamos uma, duas, três vezes e ainda tinha espaço para a sobremesa. Sorvete com brigadeiro e bis, canudinho recheado com doce de leite, torta molhadinha de chocolate… E, tcharam! Hora do amigo oculto. Presente pra cá, presente pra lá, falta eu! Meu amigo oculto é lindo. Eu! Meu amigo oculto é meio maluquinho. Eu! Uma hora acabava sendo eu e, além do presente, sempre vinha o abraço carinhoso da surpresa revelada. Sensacional!

Dia 25 – o dia exato do Natal – era praticamente curtição de ressaca da véspera. Chegávamos cansados e sorridentes na casa da Tia Mirele. As crianças nadavam, os adultos morgavam, e a comilança continuava…

Até que eu, minha irmã e meus pais mudamos para nossa própria casa e a casa da Vó Majô ficou grande demais só para ela. Resolveu alugar e se mudar para um apartamento pequetito. Ficamos, então, sem lugar oficial de Natal. O que serviu de desculpa para uma dispersão em massa na antiga melhor data do ano. Um começou a passar a véspera com a outra família, outro agora adora viajar para a praia bem nessa época. Dia 25 acabou virando o dia oficial de celebração para os que ficam, mas o amigo oculto vem ficando cada vez mais vazio. Cada ano é um que se ausenta e até eu já fiquei de fora quando morei em Londres – mas o Natal em família já tinha perdido seu charme quando isso aconteceu.

Organizar as celebrações já não tem o mesmo sabor delicioso das guloseimas. Todo mundo faz corpo mole, até para tirar o amigo oculto. Eu fico triste. Se até o Natal virou data complicada para colocar todo mundo juntinho em volta da mesa, o que dizer dos outros dias? No fim das contas, os poucos gatos pingados disponíveis no dia 24 acabam sendo recebidos pela tia Cal, que capricha na decoração e no aconchego, e pelo tio Leo, que sempre encanta na cozinha. No dia 25 até rola um almocinho na Tia Mirele ou aqui em casa. A comida é sempre espetacular – os Coelho não sabem cozinhar diferente – , mas o encanto do Natal já venceu nessa família. Não tem mais unão, muito menos pó de pirlimpimpim. Esse já não é mais o meu feriado favorito.

Londres 2011

Crônica audiovisual sem cronologia nenhuma. Sobre morar em Londres. Imagens capturadas porque eu estava afim, sem nenhuma preocupação técnica e visual. Encontrei esses fragmentos jogados no drive do meu computador antigo – computador que, na verdade, é da minha irmã e eu sequestrei para me dar apoio em Londres. Juntei porque o que é bonito é para ser mostrado e essa cidade, esses meses e essas pessoas são, para mim, bonitas por demais. Mesmo no meio da confusão.

To my lovely mates Andres Bedoya, Angelina Marteli, Alex Kubli, Diana Agudelo, Diana Betancur, Hyunah Song, Mathilde Dumolin, Maira Veneziani, Sergio Bedoya, Swiz Sandy, Tamires Muniz and to my sister Carol Novais.

Eu adoro fazer aniversário

niver

Quando pequena descobri que eu tinha nascido no mesmo dia do meu aniversário. Eu fiquei maravilhada. Como eu podia ter nascido exatamente no dia mais legal de todos os dias existentes? A única coisa que me chateava era quando, no dia seguinte da minha festa de aniversário, minha mãe respondia que ainda faltava um ano para o próximo. Um ano? Um ano é tempo demais, mamãe.

Agora, vinte e três aniversários (exatamente no mesmo dia que eu nasci) depois, eu ainda fico abaladíssima em ter que esperar mais 365 dias para soprar as velinhas e receber abraços especialmente apertados. Um ano parece não passar nunca.

E por que aniversariar é tão bom? Eis a minha lista de motivos:

– Minha irmã e minha mãe invadem o meu quarto meia noite para entregarem abraços e colarem um sorriso na minha cara que durará o dia inteiro;

– O dia fica com cara de parque de diversões e a água com gosto de felicidade;

– O moço do correio sempre aparece com algumas flores enviadas por gente que quer me ver muito feliz mesmo não podendo me dar um abraço pessoalmente e elas enfeitam o meu quarto por semanas;

– Eu consigo reunir minhas pessoas preferidas na mesma hora, no mesmo local, comendo os mesmos docinhos e compartilhando as mesmas danças (eu adoro ver minhas galeras interagindo);

– Um monte de gente bacana pensa em mim e me deseja um tantão de sentimentos e acontecimentos extremamente deliciosos do fundo do coração;

– Amigos queridos que não vejo há muito tempo aparecem para me lembrar que nós vamos ser importantes um na vida do outro pelo resto de nossas vidas;

– Minha mini biblioteca pessoal, minha maleta de maquiagem e meu pseudo armário são atualizados por amigos e familiares de extremo bom gosto;

– Eu ganho um monte de cartas e cartões mágicos que me farão viajar no tempo daqui há 20 anos quando eu abrir minhas caixas de cartas;

– Atualizo as minhas fotos usando uma roupa linda, abraçando queridos maravilhosos, e exibindo um sorriso do tamanho do meu coração (para também viajar no tempo daqui há 5, 10, 30 anos);

– Percebo que se tem tantas pessoas engajadas em me fazer sentir especial nesse dia é porque eu devo ser especial para elas de alguma maneira. E ser especial para alguém é bonito demais;

– Etcetera ………………..

Obrigada humanidade por adorar celebrações. Eu também adoro. Obrigada meus pais pela vida. Obrigada o mundo todo por me fazer querer viver cada dia mais. Obrigada a todos que fazem da minha vida uma das vidas mais bem vividas de toda a história das vidas e por me darem tantos motivos para amar comemorar o bendito dia em que eu nasci. Ano que vem a gente se reúne de novo. Enquanto isso, comemoro emocionadíssima o dia de vocês, os próximos 364 melhores dias da vida que só perdem para 30 de agosto.

38

As melhores pessoas do mundo reunidas  na mesma hora, no mesmo local, comendo os mesmos docinhos e compartilhando as mesmas danças no dia 30 de agosto <3

Nunca mais vai ter Copa?

copa

Copa do Mundo FIFA 2006. Não lembro o dia, nem contra quem o Brasil jogaria, mas lembro que Belo Horizonte se pintou de verde e amarelo. Se pintou em apitos, buzinas, bandeiras, abraços, sorrisos, camisetas e bastante tinta (no rosto, no cabelo, nas ruas). A Av. do Contorno praticamente parada, mas em festa. Logo mais, a seleção brasileira ia entrar em campo. Isso deixava todos enlouquecidamente felizes. Todos, menos um.

Enquanto a cidade sorria, um carro preto parou, por alguns minutos, ao lado do meu. Dentro dele, um rapaz de vinte e poucos anos com a cara amarrada usava óculos escuros e roupa preta. Com o som alto, ele escutava uma música nada festiva, que escapava por seu vidro fechado. Não precisei observar por muito tempo para concluir: ele devia ser a única pessoa infeliz naquela tarde ensolarada. Dentre tanto verde e amarelo (e um pouco de azul), uma gota de preto. Uma gota solitária que nunca saiu da minha cabeça. Como ele podia estar infeliz? Era dia de jogo do Brasil na Copa do Mundo! Era dia de comemorar.

30 de outubro de 2007. Brasil é ratificado pela FIFA como país-sede da Copa do Mundo 2014. Que alegria! Eu e minha mãe pulamos abraçadas, meus vizinhos gritaram pelas janelas – muitas vezes, muito alto – “ÉEEE DO BRASIIIL, PORRA!”, meu pai chegou do trabalho mais sorridente do que de costume, eu imaginei o quanto seríamos felizes em 2014 e me perguntei onde será que o rapaz de preto iria se esconder dessa vez.

Janeiro de 2010. Fui aprovada no vestibular de Comunicação Social da UFMG. Eu só pensava no quanto eu era sortuda. Ia me formar em jornalismo logo antes da Copa do Mundo. Da Copa do Mundo em meu país. Quantas vezes sonhei em um dia ir aos jogos logo ali no Mineirão, comemorar todas as partidas de todos os países, e receber os gringos com muito pão de queijo e um bocado de boa vontade. A vista era melhor do que eu imaginara. Eu ia participar da festa de dentro. Eu ia colaborar para que o mundo recebesse as informações do nosso Carnaval fora de época. Eu e todos os meus colegas teríamos emprego para começar nossas carreiras pós-faculdade. Começaríamos em plena Copa do Mundo no país do futebol. Que maravilha! Trabalhar e celebrar, tudo ao mesmo tempo.

2014. Não sei mais aplaudir esse espetáculo. Receber a FIFA em casa tem sido assustador. Um vizinho que chega botando banca, impondo as suas regras, gastando nosso dinheiro suado guardado no potinho, e ainda acha ruim. O pior disso tudo: a gente sabia que ele era assim e implorou por sua visita. Prometemos mundos e fundos e imaginamos que esse esforço seria recompensado. Esse devia ser o empurrão que faltava para o Brasil ir para a frente.

“A FIFA está chegando e está trazendo o resto do mundo para nos visitar, chega de enrolação, vamos por em prática o que já devia ter sido feito e, de quebra, arranjar emprego para grande parte da nossa população”. Que ilusão! Não compreendo se nos faltou competência ou se foi má vontade. O fato é que o pouco que mudou, ao meu ver, mudou para pior. Tem aeroporto quebrado até hoje, a três semanas da Copa. Imagino que o rapaz de preto já sabia disso tudo, há muito tempo, antes do Brasil ser eleito.

Copa do Mundo FIFA 2014. Onde estarei? Provavelmente cobrindo as manifestações contra a FIFA, enquanto minha família, meus amigos, meus vizinhos, e o mundo inteiro se abraça e grita “GOOOOOOOOOL”. Estarei exercendo minha profissão sem receber um centavo por isso, mas ciente de que é ali que precisam de mim, dando voz ao outro grito do povo. Um grito que tentarão a todo custo calar para não assustar as visitas. Um grito ao qual eu não dava tanta atenção há quatro anos atrás, mas que, como jornalista recém-formada, percebo ser meu papel ajudar a ecoar.

Ciente e orgulhosa dos meus deveres como jornalista e como cidadã brasileira, uma lágrima escorre no meu peito da mesma forma que aquele carro preto tentava atravessar a Av. do Contorno em 2006. Será que rompi com a FIFA de vez? Será que nunca mais comemorarei um gol da seleção brasileira? Eu gosto de futebol. Eu amo o meu país. Eu adoro comemorar. Será que essas três paixões, algum dia, se encontrarão novamente – e confortavelmente – em meu peito? Espero um dia ter razões para que, sim, os jogos da seleção brasileira voltem a ser motivo de celebração e orgulho. No país, no mundo e em mim.

Um ano de cada vez

umanodecadavez
2013 foi legal. Fiz meia dúzia de amigos sensacionais, me apaixonei rapidinho, passei a metade do ano trabalhando muito (e com o bolso cheio!), a outra metade cochilando a tarde/lendo/assistindo filmes (e com o bolso vazio!), meu carnaval foi insano, minha festa de aniversário o máximo, participei de um projeto jornalístico surpreendente, dei palestras, fui a shows de músicos nos quais eu piro, dei uns rolés invejáveis, aprendi um bocado de coisas e eu ainda tava querendo escrever sobre como 2014 podia ser quatrocentas vezes melhor.

2013 foi legal demais. Eu é quem não estou sendo legal com ele. Passei o último mês melancólica torcendo para que o próximo ano me surpreendesse e valesse por este e por ele. Foi só a vida dar uma desacelerada para eu enxergar tudo com muito tédio. Eu preciso parar com essa mania de querer viver o tempo todo no ápice das emoções, eu preciso aprender a apreciar a calmaria.

Não é preciso me desesperar. Minha vida tem sido bastante colorida, depois a folha em branco também tem suas vantagens. Uma coisa de cada vez. Sem pressa. Seu neura. 2013 caprichou. 2014, pode chegar de mansinho.

Mixtape #10 – Obrigada, 2013

Este ano foi sensacional e só temos a agradecer. Pelas alegrias, pelos tropeços, pelas lutas, pelas festas, pelo aprendizado. Obrigada, 2013. Você soube ser, neguinho.

01-   Birdy – Skinny Love | 02- Marisa Monte, Devendra Banhart e Rodrigo Amarante – Nu Com A Minha Música| 03- Marcelo Camelo – Vermelho | 04- David Bowie – Heroes | 05- Beyoncé – Love on Top| 06- Gal Costa – Divino, Maravilhoso | 07- Graveola e o Lixo Polifônico – Desencontro | 08- Michael Bublé – All I want for Christmas is You