Banda do Mar para mim é privilégio

bandadomar

Sou fã tardia de Los Hermanos. Em um fim de tarde de 2007, tocou “Sentimental” no carro da minha irmã e minha vida ganhou eternamente mais poesia. Lembro do meu susto ao perceber que outras pessoas conseguiram traduzir em música a minha respiração. Menos de dois meses depois, a banda se separou.

Sem probabilidade de vê-los se apresentando ao vivo, continuei navegando por suas músicas. Os caras sabiam descrever a essência dos meus sentimentos como ninguém. Os caras mandavam muito. Fiquei perdidamente encantada.

As músicas do Amarante combinavam mais com a minha energia de garota de 16 anos, mas, um tempo depois, vi a música mais chata da dupla Sandy & Junior se transformar completamente através da voz e do violão de Marcelo Camelo. “As Quatro Estações” foi salva por um mestre. Quis Camelo para sempre na minha vida.

No meio disso tudo, conheci a Mallu Magalhães. Uma menina de cabelo mal cortado e um jeito mais estranho que o meu. Desengonçadamente encantadora, não tinha o menor jeito para dar entrevistas. Não era preciso. Sua música folk-rock-loka era o suficiente e eu adorava tchubirabar com Mallu.

Mallu esta que pouco tempo depois gravou uma canção com ninguém mais, ninguém menos que o mestre, Marcello Camelo. “Janta” era minha canção favorita do primeiro disco solo do hermano, “Sou”, maravilhoso do início ao fim. Não era a toa que “Janta” me envolvia tanto. A música era um flerte quase óbvio entre os meus melhores artistas de 2008 e, pouco depois do lançamento do disco, os dois assumiram o romance.

De lá pra cá, fui em vários shows do Camelo, em shows da Mallu e até mesmo em shows da Los Hermanos – abrindo para o Radiohead no Rio, arrasando no SWU e me fazendo arrepiar em Belo Horizonte. De lá pra cá, só gostei mais e mais dos dois, fosse juntinhos ou separados. A música de Mallu melhorou com a produção de Camelo, Camelo se deixou ser mais criativo na companhia de Mallu. Até que surgiu a Banda do Mar.

Que presente para esse louco 2014! Que presente para a minha vida! Marcelo e Mallu se juntaram em uma banda só e ainda chamaram um português bom de batida para fazer parte. Banda do Mar, a minha nova banda favorita. Uma banda que coloca Marcelo Camelo para dançar já no primeiro clipe, uma banda que junta muito do que eu gosto bastante e me fez lembrar que aqui dentro ainda pulsa um coração apaixonado.

Anunciado o show em Belo Horizonte, com dois meses de antecedência, fui uma das primeiras a comprar o ingresso. Apesar da ansiedade, confesso que eu não tinha a mínima noção do quanto eu seria feliz na noite do dia 30 de novembro. Foi surreal.

Os dois estavam plenamente sorridentes dividindo o palco, felicidade que irradiava diretamente na gente-público. Músicas da Banda do Mar, dos discos solos de ambos e do Los Hermanos se juntaram no setlist mais gostoso que já ouvi tocar. Os três usavam uma roupa preta de malha sem nada especial, mas pareciam vestir o céu do mundo inteiro. Estavam maravilhosos.

A cada música, um misto muito louco de sentimentos. Eu chorava enquanto sorria, sorria enquanto gritava, e cantava, cantava muito, todas as músicas, sem parar. E, durante as quase duas horas de apresentação, eu fui feliz para sempre. E talvez eu ainda seja.

bandadomar2

Trechos (de músicas tocadas) favoritos no meu coração:

“Eu tenho céu de abril
Pra desentristecer
Serei o que sobrar de mim
Sem nada a perder” – Me Sinto Ótima

“Se eu estou aqui é por acaso
E pra te ver passar” – Solar

“Uma vida inteira pra viver
Ou um só segundo pra lembrar” – Pode Ser 

“O teu olhar abriga o universo”- Mia

“Olha, menininha, eu tenho que dizer
Tudo o que eu faço é só por você
Aonde você for
O que você quiser, eu dou

Mas olha, menininha, eu peço por favor
Tudo o que eu faço é pelo seu amor
Cê sabe como é, por baixo desse véu
O que você quiser” – Faz Tempo 

“Posso estar só
Mas sou de todo mundo” – Doce Solidão

“Pode falar, não me importa
O que tenho de torta
Eu tenho de feliz” – Velha e Louca

“Eu sei que é complicado amar tão devagarinho
E eu também tenho tanto medo” Olha Só, Moreno

“Eu, eu quero me bordar em você.
Quero virar sua pele,
Quero fazer uma capa,
Quero tirar sua roupa.” – Sambinha Bom

“Meu bem, você pra mim é privilégio” – Seja Como For

“Trago nesses pés o vento
Pra te carregar daqui
Mas você sorri desse jeito
E eu que já perdi a hora e o lugar
Aceito.” – Vermelho

“Caberá ao nosso amor o eterno ou o não dá”  – Janta

“Prefiro assim com você
Juntinho sem caber de imaginar
Até o fim raiar” – Morena

São muitas, mas não são todas. Obrigada Marcelo, Mallu & companhia por tudo e mais.